Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Mentoria

O que é mentoria e como se dar bem nessa área

Thiago Germano
Escrito por Thiago Germano
Junte-se a mais de 42 mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre mentoria

Estamos vivendo um novo boom do mercado digital e, definitivamente, chegou a hora de transformar seu conhecimento em um negócio. 

Se a gente pensar bem, ser um especialista em alguma área sempre ofereceu oportunidades para quem quisesse aproveitar isso para criar novas fontes de renda. 

A diferença, agora, é que toda a demanda que você poderia vir a encontrar no mundo offline está também presente de forma virtual. Inclusive, proporcionando ainda maiores chances e oportunidades para que você possa escalar seus clientes. 

Acontece que a pandemia mudou tudo. Melhor dizendo: acelerou algo que já vinha acontecendo. 

Há algumas décadas, estamos acompanhando a digitalização de processos. Compras, lazer, estudos, tudo isso foi, aos poucos, encontrando seu lugar em sites, plataformas de capacitação, streaming e outras fontes onde os internautas conseguiam encontrar praticamente tudo que quisessem. 

Ano passado, como dizíamos, tudo se acentuou. Impedidos de sociabilizar, a humanidade basicamente migrou suas necessidades para as redes digitais. 

O grande campeão de crescimento e expansão online foi, sem dúvidas, o mercado dos e-commerces. Com um aumento de mais de 70%, sites de vendas de todos os tipos faturaram a impressionante cifra de R$87,4 milhões.

Mas, não foi só a venda de produtos que aumentou exponencialmente no ano passado. Quem tinha alguma coisa para ensinar para os outros também viu sua cartela de clientes crescer, e muito. 

Conhecimentos transformado em negócios

O desejo de aprender não desapareceu durante a pandemia, ele só migrou de ambiente. Por isso, dissemos, no começo do artigo, que chegou a hora de você transformar seu conhecimento em uma oportunidade de negócios. 

Mais ainda: não limitemos o fenômeno à uma simples migração. 

O fato de terem que ficar em casa, muitas vezes sem fazer nada ou com mais tempo livre também levou as pessoas a buscarem novas atividades. 

E que melhor iniciativa do que aproveitar esse valioso recurso, o tempo, para melhorar habilidades ou mesmo aprender algo novo?

Foi exatamente o que muita gente fez. 

Para você ter uma ideia dos números do setor de capacitações online, a Udemy, uma das mais famosas plataformas de cursos digitais, registrou nada menos do que 95% mais de interesse em poucos meses no começo da pandemia. Quando visto desde a perspectiva global, o crescimento da demanda foi de 425%. 

O panorama também indica que o brasileiro começou a realmente se adaptar tanto à possibilidade como à realidade das capacitações online.

As pessoas estão descobrindo as vantagens de ter mais flexibilidade nos estudos, com horários que se encaixam em suas rotinas, custos mais baixos e acessíveis e uma maior diversidade de cursos. 

Ou seja, o panorama ideal para quem quer aprender, e por consequência, para quem tem algo a oferecer como ensino. 

Outra pesquisa tem dados muito interessantes para colaborar com a nova mentalidade de profissionais e de empresas. Uma consultoria internacional descobriu que aspectos relacionados ao aperfeiçoamento, capacitação e ascensão na carreira são extremamente importantes para 57% das pessoas. 

O momento é ideal, e se você vislumbra a possibilidade de fazer parte do mercado de capacitação, o universo online está claramente dando sinais de que isso é uma boa ideia. 

Neste contexto, as mentorias têm seu lugar garantido. Então, siga conosco, ainda vamos ver muitas informações hoje e você vai gostar do que vai encontrar em nossas linhas daqui em diante. 

#01 O que é mentoria

Em sua definição mais simples, a mentoria é um processo de orientação.  Neste, o mentor compartilha seus conhecimentos com alguém que precisa aprender a lidar com problemas, desafios e necessidades específicas. 

Ou seja, você, como um profissional com mais experiência, conhecimentos e conexões, vai ajudar alguém mais jovem em um campo. 

Uma coisa muito importante sobre a figura do mentor e das mentorias em geral: você não vai atuar decidindo pelo mentorado. Aqui, vale usar a frase “melhor do que dar o peixe é ensinar a pescar”.

De fato, decidir pelos outros é o melhor caminho para eliminar a capacidade de escolha de alguém. 

Um dos primeiros passos de uma mentoria é entender o universo do mentorado e visualizar o caminho de conhecimentos que ele precisa percorrer. Assim, o mentor administra as informações necessárias para que o mentorado decida por sí só. 

Há algo de construção de segurança nos orientados. Quando uma pessoa entende que é capaz de decidir sozinha, ela se sente mais confortável com suas próprias vontades, desejos e insights. 

Aqui, vale a pena também diferenciar alguns conceitos que costumam ser confundidos: o de mentoria, consultoria e couching. 

Mentoria versus Consultoria

Ainda que compartilhem coisas em comum, uma mentoria e uma consultoria diferem entre si em relação aos seus objetivos particulares e até mesmo em relação a como se dá cada processo. 

Na mentoria, você vai ser a referência profissional com muita experiência em uma determinada área, vai compartilhar seus saberes e instruir os mentorados. Ou seja, a sua vivência serve de base para que os mentorados saibam lidar melhor com suas situações. 

No caso da consultoria, normalmente vemos a figura de um profissional isento, imparcial e que conduz uma espécie de análise da realidade de uma organização para logo indicar ações concretas que devem ser executadas. 

Outro diferencial entre estas duas modalidades pode ser visto em relação à experiência de quem vai receber as orientações. 

As mentorias costumam ser feitas com profissionais que estão no início de carreiras ou de projetos. Já uma consultoria pode, por exemplo, ser feita com uma empresa que está em processo de expansão e precisa de orientações para não errar no caminho. 

A mentoria é um aconselhamento, a consultoria é imperativa, diz exatamente o que deve ser feito, como e quando. 

Algo em comum entre as duas é o estudo da realidade do cliente, seja uma corporação ou um profissional. É a partir daí que se desenvolvem as ações seguintes, mas a forma como isso acontece, como dissemos, é bem diferente. 

Mentoring vs couching

As mentorias, vejam bem, estão mais focadas na vida profissional das pessoas que participam de um programa. A relação mentor-mentorado, apesar dos frutos que pode proporcionar, tem como base exclusivamente questões de ordem técnica.

O coaching, que também pode ser lido como treinamento, é mais focado em questões específicas, mas também pode abranger praticamente qualquer coisa da vida de uma pessoa. 

Por exemplo, há coachings de alimentação saudável, de performance em atividades físicas, de mudança de mindset, assim como também para melhorar as habilidades específicas de alguma parte técnica-profissional. 

As mentorias orientam, o coaching, assim como quando falamos das consultorias, é mais imperativo. Neste tipo de relação, orientações claras são dadas para que a pessoa atue segundo o que o coach determina. 

Os programas de coaching também costumam ter seu período de duração estabelecido em pouco mais de 10 sessões. Isso significa que a conexão entre o coach e o coachee tem uma data para começar e para terminar. Tudo está devidamente pré-definido para acontecer dentro daquele intervalo.

Na mentoria, ainda que definir os períodos tentativos de acompanhamento seja importante, também há mais espaço para adaptações. 

Por exemplo, a mentoria é mais focada na evolução da pessoa em determinado aspecto, e isso, nem sempre acontece de acordo com datas pré-definidas. 

Na mentoria, dependendo de como o mentorado evolua, os conteúdos e informações compartilhadas podem ser adaptados continuamente. No coaching, todo esse material já vem formatado e preparado de uma forma semelhante a um curso, digamos. 

O coach é um profissional especializado em um determinado serviço, já o mentor é alguém com muita experiência em uma área equivalente à na qual o mentorado atua. 

Por último, mas que também serve para ilustrar a natureza da relação, no coaching, tudo é mais formal. No mentoring, a proximidade entre ambas as partes é muito mais relaxada e informal, sem que se perca o profissionalismo. Ambos partem, por assim dizer, de lugares muito diferentes. 

#02 Para que serve uma mentoria

Para falar para que serve uma mentoria, podemos falar do propósito de um mentor. 

Neste caso, tanto quando olhamos para os conhecimentos, conselhos e recursos que o mentor vai compartilhar, podemos também entender que tudo vai depender dos objetivos do mentorado e do formato que você, mentor, vai escolher. 

Um mentor pode compartilhar informações sobre sua própria carreira com seu mentorado, sua trajetória de carreira, ou mesmo focar na orientação, motivação e apoio emocional dos seus mentorados. 

Um mentor pode, por exemplo, ajudar a estabelecer metas, a explorar novas carreiras, a fazer um networking mais eficiente ou mesmo a identificar quais são os recursos necessários para que um objetivo seja atingido. 

Como comentamos algumas vezes, um programa de mentoria é muito mais flexível e adaptável à realidade e às necessidades dos mentorados. Neste sentido, seu papel pode mudar de acordo com as novas carências identificadas.

Uma mentoria, então, serve para ajudar a desenvolver habilidades, tomar melhores decisões e visualizar novos pontos de vista e criar novas expectativas sobre uma carreira. 

Só para ilustrar no formato lista, confira algumas boas razões para que uma pessoa possa aproveitar a figura de um mentor:

  • dar início ao desenvolvimento profissional;
  • ajudar a ter mais clareza sobre necessidades e estabelecer metas que sejam específicas, medíveis, alcançáveis, relevantes e que respeitem o tempo que precisam para serem atingidas;
  • empoderar os mentorados em relação às suas próprias decisões;
  • desenvolver capacidades de liderança e questões como colaboração, empatia, trabalho de equipe, comunicação, etc.;
  • melhorar sua confiança e habilidades de solução de problemas;
  • ter acesso a conhecimentos que não encontraria em outro lugar, ou seja, orientações inestimáveis.

Você, como mentor, pode ser tudo isso. Obviamente, dependendo do caso e da realidade do mentorado, alguns destes pontos (ou outros) terão mais peso e estarão no foco do seu programa. 

#03 Como funciona uma mentoria

Uma mentoria funciona sob o formato de encontros. Isso não necessariamente precisa acontecer de forma presencial, e aqui aproveitamos para conectar com a parte inicial deste artigo, quando falamos do crescimento do consumo digital de capacitações. 

Você pode marcar reuniões por Zoom, conversas por telefone ou mesmo usar as ferramentas de comunicação da plataforma onde desenvolva seu programa de mentorias. 

Isso, naturalmente, amplia muito mais as possibilidades de encontrar novos mentorados, já que se eliminam as barreiras geográficas e basta uma conexão para que a sua relação mentor-mentorado tenha lugar. 

Mas, como dissemos, uma mentoria tem encontros regulares. Nestas instâncias, são revisados os pontos da orientação anterior, se conversa sobre o aprendizado, as dificuldades, ajusta-se o que for necessário e definem-se as questões que a trabalhar daí em diante. 

Ainda que as mentorias possam ser vistas como momentos de encontro, é realmente durante os intervalos entre cada sessão que o crescimento acontece. É quando o mentorado cresce, principalmente quando comprometido com o programa. 

Nos encontros, seu papel será o de alguém com experiência suficiente para pegar todas as peças daquele momento e montar o novo quebra-cabeças. 

Sobre isso, o mentorado não tem visão do todo, pelo menos não ainda. Neste caso, aquilo que você passou como estudo na sessão anterior precisa ser conectado com os próximos passos. 

Quando é possível tratar os encontros de forma presencial, isso pode acontecer em um lugar conveniente a ambos. É comum que as interações tenham lugar em ambientes fora do espaço de trabalho, como cafés, parques ou qualquer outro local que permita que o mentorado esteja à vontade. 

Lembre-se: mentorias são relações bastante próximas, de confiança e intimidade intelectual, escolha ambientes que potencializem esse tipo de conexão. 

#04 Quais são os tipos de mentoria 

Já vimos o que é uma mentoria, para que serve e como funciona. Mais adiante, ainda neste artigo, vamos mostrar para você quais são as etapas para dar uma mentoria e lidar com outras questões igualmente importantes. 

Mas, agora, é um bom momento para visualizar quais são os tipos de mentorias que você pode oferecer e encontrar a que mais seja afim às suas capacidades, experiências e até mesmo predileções. 

Mentoria financeira

Se uma mentoria tem, entre seus objetivos, fazer com que as pessoas tenham um sucesso semelhante ao seu, ou até mesmo maior, a mentoria financeira busca o mesmo, mas com uma aplicação específica na gestão do dinheiro. 

Lidar com as finanças é uma das principais dificuldades encontradas por empresas. De fato, cerca de um quarto dos novos empreendimentos fecham as portas por não saberem gerenciar seus recursos econômicos. 

Neste sentido, seu papel é de orientar na criação de métodos que revertam esse cenário. 

Dentro do universo das finanças, você também pode atacar sub nichos específicos: redução de custos, captação de recursos, investimentos e mercados de capitais ou mesmo na contabilidade e na forma como alguém lida com as finanças em geral. 

Mentoria corporativa

Neste caso, também conhecido como mentoria empresarial, podemos fazer um paralelo com a mentoria financeira, só que com um escopo mais abrangente, que considere outras áreas. 

A mentoria corporativa pode abordar campos como a gestão de recursos humanos, marketing e o departamento de vendas, posicionamento de mercado ou até mesmo entrar no campo da transformação digital. 

Aqui, o que está em jogo é a própria noção de gestão de um negócio. Com isso, a expectativa é que seu mentorado tenha condições de ter mais clareza na forma como ele vai conduzir uma empresa. 

Mentoria de empreendedores

Uma das modalidades mais emblemáticas de mentoria, a orientação para empreendedores é algo fácil de encontrar paralelos em empresas que, com certeza, seus mentorados conhecem bem. 

Quando pensamos em grandes nomes do empreendedorismo atual, não imaginamos que todas estas personalidades, em algum momento, tinham somente uma ideia de negócio, e não gigantes corporativos.

Por exemplo, Mark Zuckerberg, teve como mentor ninguém menos do que Steve Jobs. Jobs, a sua vez, também recorreu à figura de um menor em seus primeiros passos, o marketeiro Regis McKenna, menos conhecido do que Mark e Steve, mas que introduziu muitas das ideias do mundo tecnológico de hoje. 

As mentorias para empreendedores são especialmente importantes em um país como o Brasil, onde parece que fazer qualquer coisa é praticamente impossível. 

Se você tem o empreendimento em seu DNA, vai encontrar um vasto cenário de profissionais com necessidade de alguém que os ajude a idealizar seus negócios, sem errar tanto no caminho. 

Imagine quantas ideias morreram no caminho por não conseguirem aproveitar todo o seu potencial. Como mentor de empreendedores, você vai ajudar a viabilizar sonhos e torná-los realidade.

Mentoria de relacionamentos

Para muitos, criar conexões pode ser um verdadeiro desafio. Pese a todo seu conhecimento técnico, habilidades que podem ser convertidas em produtos e serviços de sucesso, muitas vezes, falta a capacidade de se relacionar com outros profissionais. 

Por exemplo, até mesmo fazer um bom networking pode ser uma dificuldade para algumas pessoas. E como sabemos, trabalhar em rede é fundamental para que as coisas aconteçam.

Como mentor de relacionamentos, você vai orientar seus mentorados na arte dos contatos e do convívio. Por maior que seja um talento, se ele não souber trabalhar em equipe, muito pode se perder. 

Alguém, em algum momento, afirmou que líderes nascem, não são feitos. De fato, ter habilidades natas de liderança ajuda bastante, mas a liderança é um exercício, um hábito, um terreno a ser descoberto.

Neste sentido, você pode ajudar outros profissionais a descobrirem o líder que há dentro deles. Mostrar como é possível considerar o outro, ter empatia, visão global das relações e como elas podem acontecer da melhor maneira. 

#05 Quem pode ser mentor

A pergunta do milhão, e você mesmo já deve ter se perguntado isso muitas vezes. Qualquer pessoa pode ser mentora, desde que acumule bastante conhecimento sobre algum campo específico. 

Falando assim, parece fácil, certo? Mas, faça um exercício, e olhe com carinho para toda a sua trajetória profissional. 

Aliás, não limitemos suas possibilidades à sua atuação formal. Você pode ter muita experiência em algo que sequer chegou a transformar em uma fonte de renda. 

Mais ainda: começar a oferecer mentorias em algo que você conhece muito bem pode ser exatamente o pulo que vai permitir que você mude de carreira e ganhe dinheiro com algo diferente, mas que igualmente te apaixona. 

Digamos que, durante toda sua vida, seu tempo livre foi dedicado a algo diferente da sua carreira. Pode ser o momento ideal para iniciar uma nova etapa em sua vida, trabalhando no sentido de compartilhar tudo que você aprendeu até hoje.

Será que você é bom o suficiente? Bom, para responder a essa pergunta, quero te convidar a assistir este vídeo onde eu falo sobre isso. Tenho certeza de que você vai mudar completamente o que sente sobre si mesmo.

#06 Como dar uma mentoria

Uma mentoria não é muito diferente de outros processos de capacitação no que se refere ao planejamento. Por outro lado, encontramos a particularidade das mentorias no sentido de se adaptarem às realidades pontuais de cada participante de seu projeto. 

Para dar um sentido geral a seu programa, você pode seguir as orientações a seguir:

1) Identificar as necessidades de seu mentorado

O mais provável que aconteça é que, você, como uma pessoa com muito mais experiência em um campo de conhecimento, ao ter o primeiro contato com seu mentorado, possa visualizar suas principais necessidades e os primeiros passos que precisa dar. 

A natureza dessas necessidades é o que vai orientar o futuro dos trabalhos. Aqui, não estamos falando especificamente de problemas a contornar, e sim de desafios que precisam ser superados e qual é o caminho que seu mentorado vai precisar seguir. 

Neste ponto, também é importante definir quais são os objetivos que se espera que sejam alcançados com seu programa de mentoria. 

2) Estruturar o formato da mentoria, método e sessões

Uma mentoria pode acontecer de formas muito diferentes. Ela pode ser presencial, à distância, ou até mesmo funcionar hibridamente. 

Além disso, a mentoria pode ser formal ou tender um pouco mais à informalidade. Naturalmente, nossa ideia é que você ganhe dinheiro com isso, mas nada impede que, em sua trajetória, o trabalho ad honorem. Há lugar para tudo, e isso pode até agregar valor à sua imagem e dar certa projeção. 

Além dessas questões, também é imperativo que a frequência seja definida desde o começo. Os encontros podem ser semanais, a cada 15 dias ou mensais. Um prazo pretendido para que as atividades atinjam seus objetivos também é importante. 

3) Realize cada sessão

Aqui, a melhor parte, onde você vai estar em contato direto com seus mentorados. Este contato, de fato, não necessariamente só acontece durante estas instâncias, mas é nelas que as tarefas e conteúdos são transmitidos para os mentorados. 

Em cada sessão, é importante repassar o que foi visto e o que se espera das futuras. Este é um momento crucial em um programa de mentoria, onde você vai aprofundar a relação e entender como seu mentorado está avançando, por isso, estar realmente presente é fundamental. 

Em intervalos maiores, você pode incluir uma avaliação de desempenho mais ampla, e não somente sobre a última sessão. Isso também é importante para que o mentorado adquira consciência do todo e comece a “ligar os pontos”. 

Não há nada mais satisfatório do que ver, de perto, a evolução das pessoas que depositaram sua confiança em você. Aproveite intensamente estes momentos. 

#07 Como divulgar a sua mentoria e captar os primeiros clientes

Sua mentoria, como qualquer outro negócio, depende de clientes para que efetivamente se transforme em uma fonte de renda. 

Mais uma vez, volto a falar do boom do consumo digital e que a sua maior chance de conseguir mentorados está exatamente na internet. 

Ou seja, seu novo grande amigo será o marketing digital. Você precisa estar online para que as pessoas te encontrem, saibam mais sobre seu trabalho, quais são suas especialidades e, por que não dizer: conheçam você melhor. 

Neste caso, é importante criar uma estrutura que atenda a alguns pontos estratégicos:

    • Criar um site. Nele, os descritivos do seu programa, sua trajetória, como e quando você atende, que tipos de mentoria é capaz de fornecer, formas de contato, entre outras informações relacionadas ao negócio em si.
    • Blog. O blog é sua voz, onde você não necessariamente vai falar sobre seu serviço em si, mas sim sobre o universo da mentoria e questões relacionadas. É, basicamente, onde as pessoas vão perceber o valor da sua experiência.
  • Redes sociais. Atualmente, estar nas redes não é uma opção, é obrigatório. As pessoas passam grande parte de seu tempo navegando em plataformas como Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn e Youtube.  Esteja nelas para ser encontrado. 

Sobre as modalidades de prospecção, considere dois vetores. No primeiro, você encontra mentorados, é o que chamamos de prospecção ativa. No segundo, você é encontrado, ou seja, prospecção passiva. Confira as diferenças de cada uma, a seguir.

Prospecção ativa

Nem todo mundo sabe que pode ser beneficiado por um programa de mentoria. Então, por mais que você esteja presente no universo digital, vai ficar faltando aquele link que desperte o interesse de potenciais mentorados.

Na prospecção ativa, você mesmo pode ir atrás de seus clientes. 

Como? Isso funciona muito bem nas redes sociais. Navegando em plataformas profissionais, principalmente o LinkedIn, você pode encontrar perfis que sejam ideais para oferecer seus serviços de mentoria. Peça para conectar, comente alguns posts do profissional, envie mensagens. Aqui, deve-se criar uma relação. 

Prospecção passiva

Nesta forma de captar clientes, aquele universo de site, blog e presença em redes sociais será seu principal aliado. 

A prospeção passiva se caracteriza pelo fato de que o cliente chega até você por ter reconhecido sua proposta de valor. Para tanto, é fundamental que todo e qualquer conteúdo que você publique esteja intimamente relacionado com as dores das pessoas, suas necessidades e dificuldades. 

Trata-se, afinal, de resolver um problema. Esta modalidade pode levar mais tempo, mas construir uma presença online realmente demanda paciência e dedicação a médio e longo prazo. Ainda assim, tenha certeza: os clientes vão aparecer. 

#08 Como se tornar um mentor de sucesso: falar da mentoria da BMind

Se você chegou até aqui, parabéns! Isso mostra que você está realmente comprometido e interessado em mudar sua vida e aproveitar tudo o que você aprendeu até hoje em sua atividade para gerar receita. 

Mas, mesmo com todas as informações que compartilhamos no post de hoje, você ainda pode ter dúvidas de como exatamente vai colocar tudo o que dissemos para funcionar e começar a oferecer seus serviços de mentoria. 

E eu não poderia estar mais de acordo com essa sensação de dúvida. Evidentemente, dar forma a um programa de mentoria demanda preparação, planejamento e uma certa dose de conhecimentos sobre o ato de empreender.

Pode ser que sua mentoria precise de uma mentoria para poder começar com o pé direito. 

Aliás, essa é uma associação bastante plausível. Se você quer ser um mentor de negócios que ajuda empreendimentos, por que não considerar a possibilidade de contar com o auxílio relacionado ao que você quer levar a cabo?

Eu quero te ajudar a viver de seu conhecimento. Acredito tanto nisso, que esta é uma das principais missões da Bmind. 

Somos especialistas em mostrar, para outras pessoas, como elas podem transformar seu capital intelectual, suas paixões e inclusive suas histórias de vida em uma atividade remunerada.

E vou além: podemos te ajudar a ajudar outras pessoas. 

Como fazer isso? Aqui, quero falar para você o que significa Bmind, nossa marca. A letra “B” vem de business, e Mind está associado à mente, ou seja: mente de negócios. 

Queremos mostrar para você como sua mente pode ser transformada em um poderoso empreendimento, para que você seja efetivamente feliz trabalhando com o que gosta. 

Para que isso se transforme em realidade, desenvolvemos, ao longo dos anos, uma metodologia apoiada em 6 pilares que vão transformar a forma como você vai aproveitar toda sua experiência e sabedoria. 

Acreditamos em resultados, em comprometimento, em dedicação e na aposta que sua vida pode melhorar se você acreditar no seu próprio potencial. 

Chegados até aqui, ao final desse longo conteúdo que preparamos com todo carinho para que você entenda todo o valor que leva com você mesmo, quero te convidar para conhecer mais sobre tudo o que podemos fazer por você!

Navegue em nossa página, leia nossos conteúdos e entre em contato quando quiser: será um prazer ajudar a mudar a sua história!

Hey,

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado.